”Entre cá e lá…”

“Toma cuidadinho contigo, filha!”, é, invariavelmente, a última coisa que o meu avô me diz todas as vezes que falamos. Dos seus 92 anos, e mesmo depois de tantas aventuras e desventuras por terra e por mares, é com espanto e tristeza que vê e vive estes tempos. Quando resume e partilha comigo as notícias que acompanha religiosamente através do Telejornal, a sensação que tenho sempre, porém, é a de estarmos a viver em tempos e mundos diferentes. Minutos bastariam a qualquer um para ver e sentir as diferenças entre Portugal e Moçambique, daí que não seja de estranhar que essas mesmas se reflitam até na forma como se vive durante uma pandemia. 

Apesar do decretado Estado de Emergência, e dos muitos esforços por parte das entidades responsáveis em fazer respeitar as normas daí decorrentes, a verdade é que, não fossem algumas máscaras, os baldes nas portas das lojas e serviços públicos ou os constantes anúncios nas rádios e televisão, e diria que tudo se mantinha igual. Isto porque a azáfama do dia-a-dia mantém-se, ditada, sobretudo, pela urgência diária em garantir sustento. As ruas continuam cheias de vida, os mercados funcionam no mesmo ritmo frenético, vendedores e clientes não faltam, não deixando grande espaço ao tão necessário distanciamento social. A preocupação dá lugar à necessidade e, colocando-me muitas vezes no lugar destas mulheres e destes homens, pergunto-me “Como seria, se estivesse no seu lugar?”.

Quando a ameaça é invisível, e quando a realidade à tua volta apresenta pouca diferença, a tendência é a de aligeirar o tal “cuidadinho” que o meu avô aconselha. Essa minha tendência é sempre contrariada quando falo com amigas e amigos e tento realizar o que é estar de quarentena, com as rotinas todas alteradas, sem o calor do outro, na expectativa do final disto tudo, mas receoso do que esse final implicará. Também aqui me coloco muitas vezes no lugar destas amigas e amigos e pergunto-me “Como seria, se estivesse no seu lugar?”.

O meu lugar é aqui, é agora. Entre cá e lá, o coração fica muitas vezes pequenino, de saudade, de preocupação. Pelos meus, pelos outros. Por cá, e no meio de uma gestão emocional muitas vezes exigente, há que continuar o trabalho, agora limitado quase exclusivamente ao escritório, e não deixar que o medo e a incerteza ponham em causa tudo o que queremos e precisamos fazer. 

Por lá, espero que a vida volte à normalidade o mais rapidamente possível, seja nos termos que a nova normalidade permita. Quero voltar a Portugal com a certeza de poder tocar, beijar, rir  e estar com quem amo. E, ao abraçá-lo longamente, garantir ao meu avô que, desta vez, segui o seu sábio conselho! 

Fátima Falua, Diretora de programa da Helpo em Cabo Delgado, Moçambique

Like this article?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

Leave a comment