Mais que carregar!

Hoje dei por mim a pensar no que estive a fazer este último mês e meio… 

Inicialmente, nenhum de nós sabia o impacto que isto iria ter, a COVID19 entrou nas nossas vidas e a Helpo teve que reorganizar a sua intervenção, mais uma vez. Continuo a surpreender-me com a capacidade de nos reinventarmos. É mesmo bom ver as maravilhas do nosso trabalho (basta ler e ver as nossas redes sociais e este blog!). 

Eu estava a fazer o meu trabalho no projeto MUDARTE quando, de repente, vi as escolas fecharem e, de um momento para o outro, estava a carregar caixas com refeições para famílias apoiadas pela Junta de Freguesia de Cascais e Estoril. A nossa missão passou a ser “ajudar quem ajuda” (palavras do meu companheiro de viagem Cazé). A Junta de Freguesia tem sido incansável no apoio à população e não podíamos deixar de nos juntar a esta causa!

A verdade é que não é só a entrega das refeições, tem sido muito mais do que isso: é ajudar as fantásticas cozinheiras do Externato Nossa Senhora da Assunção que todos os dias nos recebem com um sorriso e que têm o cuidado de nos preparar um lanche para o caminho; são as famílias (muitas…) que inicialmente abriam timidamente a porta para receber as refeições e que hoje já nos conhecem pelo nome; são as partilhas que vão tendo connosco, mesmo que por uns minutos (acredito que em algumas das casas são a única visita que recebem…); são as “viagens” com o Cazé a ouvir a “Antena Aberta”, a partilharmos a nossa vida e experiências em Portugal e Moçambique; são as mensagens trocadas com o grupo de voluntários da Junta de Freguesia que ainda hoje me fascinam pela sua dedicação; foram as idas às compras e as preparações de cabazes para as famílias apoiadas.

É difícil passar para o papel o que tem sido este mês e meio, faltam-me palavras para descrever o que temos feito, até o Duarte (o meu filho mais velho) diz: “O papá vai dar comida a quem não tem…”, mal sabe ele que mais do que levar comida é o que o papá tem recebido desta experiência.

A nossa vida não voltará a ser a mesma, que saibamos retirar o “bom” desta pandemia, mais do que “vai ficar tudo bem”, é o que estamos a fazer para que fique tudo bem. É um orgulho poder fazer parte desta mudança, junto de tantas pessoas que têm estado entregues ao serviço ao próximo.

Amanhã é dia de ficar em casa, vou sentir falta da nossa volta, mas sei que o pouco que dei foi muito… muito para mim.

Miguel Jarimba, Técnico de Projetos Nacionais da Helpo

Like this article?

Share on facebook
Share on Facebook
Share on twitter
Share on Twitter
Share on linkedin
Share on Linkdin
Share on pinterest
Share on Pinterest

Leave a comment